Situada a nascente e a cerca de 3 km de Nelas, a Freguesia de Senhorim tem a sua sede no lugar de Casal de S. José e foi sede de Concelho há cerca de 800 anos atrás.

Pelo Foral Afonsinho foi constituído Concelho e pelo Decreto de 9-12-1852 foi extinto e integrado no atual Concelho de Nelas.

Com uma área de cerca de 31,08km2, a atual freguesia de Senhorim, a maior do Concelho, é composta por Portela, Póvoa de Cima, Póvoa de Luzianes, Quinta da Cagunça, Quinta do Lila (antiga Quinta do Boticário), Quinta dos Moinhos, São João do Monte, Vila de Senhorim e Vila Ruiva. De acordo com os últimos Censos 2011, a população de Senhorim é de 1163 habitantes.

Num passado longínquo, o concelho de Senhorim foi o núcleo mais importante da área do Concelho de Nelas, englobava as atuais freguesias de Santar, Vilar Seco, Nelas e Senhorim estando inserido nas redes de comunicação do tempo do Império Romano.

O concelho de Senhorim sempre se distinguiu de todos os outros em seu redor, antes da Implantação do Regime Liberal. Aqui tinha residência o senhor donatário do seu concelho, aquele a quem eram pagas as rendas pela atividade económica concelhia consignadas no goral, o foral novo de Senhorim de 1514, a carta constituída dos concelhos.

Durante longos anos, pertenceu à coroa e conheceu vários senhorios. Em 1481 reingressou no Património da coroa de D. João II ascendeu ao trono tendo sido doado, no reinado de D. Manuel, a D. Luis da Cunha, senhor da Sabugosa, Óvoa e Barreiros, proprietário do Solar de Casal Bom em Santar.

Apesar da tradição, registada no “Livro Portugal Antigo e Moderno” de Pinho Leal, referir que foi por diligência dos Cunhas que a sede do Concelho se deslocou de Senhorim para Vilar Seco. José Pinto Loureiro no Livro “Concelho de Nelas” defende que a sede do Concelho de Senhorim foi em Vilar Seco até à sua extinção em 1852: nas inquirições de 1258, já se pode concluir isso e, fora de toda a dúvida, em 1527 (Censo Joanino) a sede era em Vilar Seco.

Marcas visíveis dos diferentes povos que por aqui passaram, são as várias Igrejas e Capelas dispersas pelos lugares da Freguesia. A beleza das serras e dos vales, dos pinhais e das Florestas e campos de cultivo, a ruralidade marcada pela estrutura dos espaços onde os usos comunitários tradicionais ainda não desapareceram e a proximidade dos rios Mondego e Castelo desta Freguesia, uma das mais bonitas do concelho de Nelas, em termos de paisagem natural.